Braztoa comemora facilidades para emissão de visto americano a brasileiros

24/01/2012

O anúncio do presidente Barack Obama sobre as medidas para facilitar a concessão de visto para turistas brasileiros é comemorado pela Braztoa (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), que desde o ano passado lidera a campanha Visa Waiver Now (por meio do site www.visawaivernow.com.br), buscando sensibilizar as autoridades do Brasil e dos Estados Unidos para a necessidade de flexibilizar a exigência de visto entre os dois países.

“A declaração do presidente Obama é mais um passo para que, em breve, o Brasil possa fazer parte do grupo de países que dispõe do Visa Waiver. A decisão americana vem ao encontro do que defendemos, de flexibilizar ao máximo o visto entre os dois países o mais breve possível”, diz o presidente da entidade, Marco Ferraz. Ele lembra que “isso é necessário em um momento em que cerca de 1,5 milhões de brasileiros viajaram para os EUA em 2011, atingindo gastos acima de US$ 7 bilhões, e também a situação estável da economia brasileira, que estimula o emprego e a produção interna, diminuindo os atrativos de aventuras de vida fora do Brasil. A Europa, que não exige o visto para os brasileiros, já tem em suas fronteiras toda a expertise necessária para a identificação de possíveis imigrantes ilegais e comprova que é possível conviver sem a rigidez americana. Além do que, o Brasil não tem histórico de terrorismo ou fanatismo de qualquer natureza.

Ferraz salienta que, por outro lado, “a obtenção de visto brasileiro para os norte-americanos poderia ter também um avanço em seu método, para aprovação mais rápida, menos custosa ou até por Internet. As ligações entre os Estados Unidos e Brasil tendem a crescer nos próximos anos e o turismo de lazer tem que aproveitar isso. Temos um campo enorme para ampliação do turismo receptivo”.

Estima-se que, com a exigência do visto, o Brasil deixe de receber pelo menos 640 mil turistas americanos por ano, o que significa uma perda financeira na ordem de R$ 1.24 bilhões e também 2.240 milhões de noites de hotel a menos. O cálculo leva em conta o volume de turistas americanos que vem todos os anos ao nosso país. Há estudos que indicam que se o visto fosse flexibilizado, até dois anos este fluxo dobraria entre turistas dos dois países.

No www.visawaivernow.com..br foi criado um contador, que mostra, em tempo real, quanto o Brasil deixa de receber em dólares e em número de quartos de hotéis. Hoje, estes 640 mil turistas americanos que vêm em um ano têm gasto médio de US$ 2 mil. Depois dos argentinos, são eles os estrangeiros que mais visitam o Brasil. Já a US Travel, que congrega hotéis, companhias aéreas e destinos dos EUA, calcula que seu país passaria a receber, com a flexibilização, 2,4 milhões de brasileiros por ano, contra os atuais 1,2 milhão.

Por meio do www.visawaivernow.com.br, profissionais do setor, assim como empresas e entidades, podem aderir ao movimento, autorizando o uso de sua declaração e/ou imagem para a campanha.
  
O anúncio do presidente Barack Obama sobre as medidas para facilitar a concessão de visto para turistas brasileiros é comemorado pela Braztoa (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), que desde o ano passado lidera a campanha Visa Waiver Now (por meio do site www.visawaivernow.com.br), buscando sensibilizar as autoridades do Brasil e dos Estados Unidos para a necessidade de flexibilizar a exigência de visto entre os dois países.

“A declaração do presidente Obama é mais um passo para que, em breve, o Brasil possa fazer parte do grupo de países que dispõe do Visa Waiver. A decisão americana vem ao encontro do que defendemos, de flexibilizar ao máximo o visto entre os dois países o mais breve possível”, diz o presidente da entidade, Marco Ferraz. Ele lembra que “isso é necessário em um momento em que cerca de 1,5 milhões de brasileiros viajaram para os EUA em 2011, atingindo gastos acima de US$ 7 bilhões, e também a situação estável da economia brasileira, que estimula o emprego e a produção interna, diminuindo os atrativos de aventuras de vida fora do Brasil. A Europa, que não exige o visto para os brasileiros, já tem em suas fronteiras toda a expertise necessária para a identificação de possíveis imigrantes ilegais e comprova que é possível conviver sem a rigidez americana. Além do que, o Brasil não tem histórico de terrorismo ou fanatismo de qualquer natureza.

Ferraz salienta que, por outro lado, “a obtenção de visto brasileiro para os norte-americanos poderia ter também um avanço em seu método, para aprovação mais rápida, menos custosa ou até por Internet. As ligações entre os Estados Unidos e Brasil tendem a crescer nos próximos anos e o turismo de lazer tem que aproveitar isso. Temos um campo enorme para ampliação do turismo receptivo”.

Estima-se que, com a exigência do visto, o Brasil deixe de receber pelo menos 640 mil turistas americanos por ano, o que significa uma perda financeira na ordem de R$ 1.24 bilhões e também 2.240 milhões de noites de hotel a menos. O cálculo leva em conta o volume de turistas americanos que vem todos os anos ao nosso país. Há estudos que indicam que se o visto fosse flexibilizado, até dois anos este fluxo dobraria entre turistas dos dois países.

No www.visawaivernow.com..br foi criado um contador, que mostra, em tempo real, quanto o Brasil deixa de receber em dólares e em número de quartos de hotéis. Hoje, estes 640 mil turistas americanos que vêm em um ano têm gasto médio de US$ 2 mil. Depois dos argentinos, são eles os estrangeiros que mais visitam o Brasil. Já a US Travel, que congrega hotéis, companhias aéreas e destinos dos EUA, calcula que seu país passaria a receber, com a flexibilização, 2,4 milhões de brasileiros por ano, contra os atuais 1,2 milhão.

Por meio do www.visawaivernow.com.br, profissionais do setor, assim como empresas e entidades, podem aderir ao movimento, autorizando o uso de sua declaração e/ou imagem para a campanha.


Fonte: Jornal de Turismo
 


voltar






Visa Waiver Now - 2017 - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Saber